sábado, 29 de maio de 2010

Empresa monta equipe de natação paraolímpica visando as Paraolímpiadas de 2016

video

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Deficiente visual participa da Volta do Lago Caixa.

video


Ailton não enxerga mais disputada com os outros atletas em pé de igualdade a volta do Lago Caixa.

Mães apóiam filhos em esporte paraolímpico!!


video
Em Niterói, três mulheres mostram o que é dedicação e amor. Elas são fundamentais para apoiar os filhos atletas, que possuem paralisia cerebral. Há sete anos as três mães praticam junto com os filhos a Bocha paraolímpica. Todos os dias eles estão na ANDEF, Associação Niteroiense dos deficientes Físicos no Rio de Janeiro.

Deficientes físicos realizam caminhada de protesto.

video

Dois portadores de deficiência física chegaram a Brasília com uma história especial. Há 40 dias eles deixaram São Paulo, um deles a pé e o outro em uma cadeira de rodas. Eles querem chamar a atenção do governo e da sociedade para os problemas que os deficientes enfrentam em todo o país. Eles pretendem se encontrar com o presidente Lula.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Seminário sobre educação física inclusiva e Paraolimpíadas é realizado na Câmara

video
O desempenho do Brasil nas paraolimpíadas vem melhorando a cada nova Competição. Em 2008, em Pequim, a delegação brasileira conquistou 47 medalhas e ficou em 9º lugar do ranking. Porém, os bons resultados ainda não foram suficientes para alavancar a prática da educação física entre as crianças com deficiência. Um seminário, realizado pela Comissão de Desporto discutiu propostas para incluir estas crianças no mundo do esporte.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Conheça a história de três mulheres que dedicam a vida para apoiar os filhos atletas.

video

Para ampliar o conhecimento.

CORREIO BRAZILIENSE (DF) • ESPORTES • 10/5/2010
Ananda Rope.


Primeira Academia Paraolímpica Brasileira será inaugurada hoje, na Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais. Ideia é melhorar a preparação de técnicos e atletas
Com o objetivo de conquistar o sétimo lugar no quadro geral de medalhas nas paraolimpíadas de Londres-2012 e o quinto nos Jogos do Rio de Janeiro-2016, o Comitê paraolímpico Brasileiro (CPB) inaugura hoje a primeira Academia paraolímpica Brasileira, ou Centro de Formação do esporte paraolímpico(Cefep), na Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em Minas Gerais. “A nossa expectativa é de que a Academia paraolímpica ajude a empreender mudanças significativas no esporte brasileiro. Esperamos ter uma melhor preparação dos nossos atletas”, aposta o presidente do CPB, Andrew Parsons. Criada para ligar aqueles que produzem o conhecimento científico no Brasil ao esporte paraolímpico, a Academia terá sua sede inicial em Minas. Mas a longo prazo a iniciativa deve expandir-se pelo país. “A UFU foi a primeira entidade que se colocou à disposição e ofereceu uma estrutura, que foi equipada com recursos financeiros do Ministério do esporte. Pretendemos fortalecer e consolidar a Academia paraolímpica Brasileira antes de abrir novos centros”, ressalta Parsons.

Em países desenvolvidos, a parceria da ciência e da universidade com o paradesporto é pródiga. Entretanto, o Brasil estava atrasado. Coordenada por professores universitários de diferentes estados, a Academia surge como o elo entre aqueles que produzem o conhecimento científico no país e o esporte paraolímpico.

OS PIONEIROS

Os atletas das seleções brasileiras de Natação, Atletismo e judô foram os estreantes na parceira do CPB com o meio acadêmico. Ainda no ano passado, a Universidade de Campinas (SP) e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) realizaram uma bateria de exames com os esportistas.

A nossa expectativa é de que a Academia paraolímpica ajude a empreender mudanças significativas no esporte brasileiro. Esperamos ter uma melhor preparação dos nossos atletas”

Andrew Parsons, presidente do Comitê paraolímpico Brasileiro (CPB)

O número

47

Número de medalhas conquistadas pelo Brasil nas paraolimpíadas de

Pequim-2008. Foram 16 de ouro, 14 de prata e 17 de bronze, que garantiram a 9ª posição ao país no quadro de medalhas

Atualização literária

A Academia paraolímpica Brasileira será baseada em três pilares: a relação com o meio acadêmico, a capacitação de profissionais para o esporte paraolímpico e a publicação de material didático. Parcerias com as universidades já vêm acontecendo há algum tempo, como é o caso da Universidade de Brasília (UnB), que forma atletas. Mas a capacitação de novos profissionais é uma inovação.

“A gente ainda tem essa ausência de estudos. O grande meio dos acadêmicos são os artigos publicados em revistas científicas”, explica o coordenador da Comissão Científica do CPB, professor José Júlio Gavião. “A intenção da Academia é lançar livros para auxiliar as pessoas que fazem o esporte paraolímpico em sua base, com uma literatura mais acessível para técnicos e professores de educação física”, continua o professor.

Com poucas referências literárias sobre a categoria — os mais recentes são dos anos 90 —, a Academia lançará seu primeiro livro sobre o esporte paraolímpico ainda neste ano, em setembro. A obra será assinada pelos professores Ciro Winckler e Marco Túlio de Mello, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

“O livro trará as noções básicas, regras e história das 20 modalidades (1)das paraolimpíadas de Verão, além de textos sobre classificação funcional e um pouco da política do esporte paraolímpico. Infelizmente, a literatura nessa área no Brasil está muito desatualizada”, lamenta Winckler.

1 - Tudo começou em Roma

A primeira edição das paraolimpíadas aconteceu em Roma, em 1960. Desde então, outras 12 foram disputadas. As provas são abertas a portadores de vários tipos de deficiência física e mental. Conheça as 20 modalidades disputadas nas paraolimpíadas:

- Tiro com arco

- Ciclismo

- futebol de 7

- Levantamento de peso

- Tiro esportivo

- Voleibol sentado

- Rúgbi em cadeira de rodas

- Atletismo

- Hipismo

- Goalball

- Remo adaptável

- Natação

- basquete em cadeira de rodas

- Tênis em cadeira de rodas

- Bocha

- futebol de 5

- judô

- Vela

- Tênis de mesa


- Esgrima em cadeira de rodas

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Paraolímpiadas de Londres ganha patrocinador exclusivo

O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e paraolímpicos de Londres de 2012 (LOCOG) nomeou a rede de supermercados Sainsbury's como seu primeiro patrocinador somente paraolímpico. Este compromisso é histórico para o Movimento paraolímpico é o maior patrocínio da história dos Jogos.

“O IPC tem o orgulho de ver a Sainsbury's como primeiro patrocinador apenas para os Jogos paraolímpicos para Londres 2012", disse Sir Philip Craven, Presidente do IPC.

A Sainsbury's irá utilizar a sua rede de mais de 850 lojas para ajudar a promover os Jogos. Como parte do seu comprometimento com LOCOG, Sainsbury's vai realizar uma campanha de mídia em 2012 para apoiar os Jogos paraolímpicos.

"Estamos lisonjeados em nos tornarmos o patrocinador oficial dos Jogos paraolímpicos de 2012", afirmou o CEO da rede, Justin King.

"A visão na qual o movimento paraolímpico foi fundado complementa o compromisso da nossa marca de promover a saúde em todas as idades".